terça-feira, 8 de setembro de 2009

[açúcar oculto]

Besteira achar que um cigarro vai tornar as coisas mais interessantes.


Besteira pensar que falei tanta besteira.

Besteira ficar quieto.

Besteira querer experimentar o mundo todo.

Besteira desejar.

Besteira ser assim tão cru.

Besteira sonhar com outro.

Besteira fingir poder que não tenho.

Besteira a eterna busca.

Besteira perder o sono por tanta besteira.



800 nomes que não me dizem nada.

Vitrine de roupas caras.

Dá-se tanto por felicidade burra e efêmera.

800 luzes que me deram vontade.

A promessa de um mundo que não seja real.

Que graça tem, o interruptor?

800 letras desperdiçadas.

Tempo que podia ser riso, sexo, qualquer.

Vida afogada no travesseiro.



Besteira a surpreendente vontade de ser notado.

Besteira a luta pela invisibilidade.

Besteira querer silêncio.

Besteira falar tanto.

Besteira querer abraço.

Besteira a abstinência.

Besteira a vaidade.

Besteira admirar pele, músculo e osso.

Besteira olhar as costas de alguém.

Besteira sentir e besteira perder o tesão por tanta besteira.

Um comentário:

Nathy Rocha disse...

Sinceramente?
Acho que tu ta precisando de ir no cinema ver um bom filme, comprar um saco de pipoca gigante, um copo de 500ml de coca-cola e 1 barra de chocolate.
E o detalhe não menos importante, uma tacada na cabeça com o teu próprio taco.
Me aguarde.